Publicado em 12/08/2022 às 17h10.

Setor prevê que preço de plano de saúde deve subir após piso da enfermagem

Segundo as entidades, a nova lei do piso vai gerar repasse de custos no setor, com possível impacto sobre o consumidor

Redação
Foto: Agência Brasil/Arquivo
Foto: Agência Brasil/Arquivo

 

Uma reunião nesta semana entre associações de hospitais e planos de saúde e a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) serviu para comunicar o órgão que a nova lei do piso da enfermagem vai gerar repasse de custos no setor, com possível impacto sobre o consumidor final.

De acordo com os representantes das entidades que participaram do encontro, não há orçamento provisionado para que esses custos sejam absorvidos. Segundo eles, o repasse para operadoras e para os consumidores será inevitável.

Pelos cálculos que levaram à ANS, a estimativa é que o impacto chegue a R$ 16 bilhões nos setores público e privado.

Sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) neste mês, a lei fixa remuneração mínima de R$ 4.750 para enfermeiros. Técnicos de enfermagem devem receber 70% desse valor. Já os auxiliares e parteiros ganham 50%.

“A conta ficou insustentável, e a ANS vai acabar tendo que considerar isso nos cálculos da liberação de reajuste anual”, diz Marcos Ottoni, diretor-jurídico da CNSaúde (Confederação Nacional de Saúde), uma das entidades que participou da reunião com a ANS.

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.