Publicado em 03/12/2020 às 21h40.

Sem pressa, Guedes admite estimular importação para garantir insumos

Descompasso gerado pela retomada diferente em cada setor atinge 54% das indústrias e, em Salvador, afeta bares e venda de material de construção

Redação
Foto: Divulgação/ ISM
Foto: Divulgação/ ISM

 

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta quinta-feira que o governo pode, eventualmente, recorrer às importações no setor industrial caso seja constatada a falta de insumos em determinados segmentos industriais. “Nós estamos atentos à essa possibilidade”, disse Guedes ao ser questionado sobre o tema em evento da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC).

Este problema foi gerado pelo ritmo diferente de retomada de cada atividade, além de problemas setoriais. Segundo a Confederação Nacional da Indústria (CNI), em novembro 54% das empresas do setor enfrentam dificuldade de atender os clientes por falta de matérias-primas, como embalagens. No mês anterior, a crise incluia 44% das indústrias.

O ministro, por outro lado, não demonstrou pressa em uma solução, definindo a situação como “um problema bom”.
“A indústria não vai parar por causa do desabastecimento. Estamos esperando o alto-forno funcionar, o aço chegar, a embalagem chegar”, acrescentou o ministro. “estamos abertos à possibilidade de abrir um pouco mais rápido a economia se isso demorar muito a começar”.

Na Bahia, o setor plástico revelou ao bahia.ba dificuldades tanto para receber insumos de fornecedor nacional como para comprá-lo do exterior. Na outra ponta da cadeia, a falta de tubos e PVCs, esquadrias, fios (que necessitam de cobre), bebidas e carnes afetam o varejo, sobretudo em bares e restaurantes e também na venda de material de construção.

Mais notícias