Publicado em 04/10/2019 às 22h00.

Ministro diz que fala de Janot incitou ataque de juíza em SP

Declaração de Alexandre de Moraes ocorre em resposta a questionamentos sobre a busca autorizada por ele na casa do ex-procurador-geral da República

Redação

 

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil

 

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre Moraes, afirmou nesta sexta-feira (13) que a declaração do ex-procurador da República Rodrigo Janot sobre assassinar o ministro Gilmar Mendes no plenário da corte incitou a tentativa de homicídio ocorrida contra uma juíza em um tribunal de São Paulo.

A declaração de Moraes ocorre em resposta aos questionamentos contra seu pedido para que a Polícia Federal realizasse operação de busca e apreensão na casa de Janot.

lém da apreensão de uma arma, um tablet e de um celular do ex-PGR pela PF, o magistrado determinou a imediata suspensão da autorização para portar arma em nome do ex-PGR. Janot também deve manter distância de no mínimo 200 metros de qualquer ministro e da sede do tribunal.

“Os fatos demonstram a necessidade do inquérito. O que foi dito na decisão, e a decisão talvez tenha sido mal compreendida, ou as pessoas não leem e criticam, é que a investigação dentro do inquérito é contra agressões e ofensas a ministros do Supremo Tribunal Federal”, disse Moraes, durante palestra na Universidade Mackenzie, em São Paulo.

O ministro apontou a fala de Janot como uma incitação ao crime que ocorreu no TRF-3, no centro da capital paulista. Na quinta, o procurador da Fazenda Nacional Matheus Carneiro Assunção foi preso em flagrante pela Polícia Federal sob suspeita de tentar matar a juíza Louise Vilela Leite Filgueiras Borer.

“O que ocorreu em relação a esse episódio [do ex-PGR Janot] é uma agressão de incitação ao crime. Em nenhum momento a investigação, como foi colocado, é de tentativa de homicídio porque nem se iniciou a execução, mas sim de incitação. Incitação essa que menos de uma semana depois ficou comprovada com o ato absurdo que ocorreu ontem aqui em São Paulo na Justiça Federal, demonstrando a necessidade de se investigar qualquer incitação a crime contra ministro do Supremo Tribunal Federal”, afirmou. Com informações da Folha de S. Paulo.

PUBLICIDADE