Publicado em 23/07/2021 às 11h32.

China rejeita plano da OMS para aprofundar estudos sobre origem da Covid-19

Organização Mundial da Saúde pede colaboração para aprofundar investigações

Redação
Foto: Divulgação/Fiocruz
Foto: Divulgação/Fiocruz

 

O governo chinês afirmou, nesta quinta-feira (22), que não vai participar da segunda fase da investigação da Organização Mundial de Saúde (OMS) sobre as origens da Covid-19. O anúncio foi feito por um funcionário da saúde.

Zeng Yixin, vice-chefe da comissão nacional de Saúde da China, disse, em uma entrevista para a imprensa local, que a negativa para a continuação do estudo acontece após a possibilidade de o vírus ter vazado de um laboratório de Wuhan ter sido incluída na proposta.

“Em alguns aspectos, o plano da OMS para a próxima fase de investigação da origem do coronavírus não respeita o bom senso e é contra a ciência. É impossível aceitarmos tal plano”, disse Zeng Yixin.

OMS pede colaboração

Um dia depois da China rejeitar os planos para mais checagens a laboratórios e mercados em seu território, a Organização Mundial de Saúde (OMS) pediu nesta sexta-feira (23) que todos os países trabalhem juntos para investigar as origens da covid-19. Segundo afirma o portal ‘Agência Brasil’.

Os primeiros casos de covid-19 em humanos foram registrados na cidade de Wuhan, região central da China, em dezembro de 2019. A China várias vezes rechaçou teorias de que o vírus vazou de um laboratórios.

Uma equipe liderada pela OMS passou quatro semanas em Wuhan e nos arredores com cientistas chineses e voltou a dizer em um relatório conjunto, em março, que o vírus havia provavelmente sido transmitido de morcegos para humanos por meio de outro animal, mas que mais pesquisas eram necessárias.

Temas: China , Covid-19 , OMS , pandemia , Wuhan

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.