Publicado em 06/12/2016 às 13h00.

Cidadãos da UE no Reino Unido precisarão de documento, diz ministra

Amber Rudd, secretária do Interior, diz que ainda não definiu detalhes, mas que o procedimento será adotado

Jaciara Santos
Amber Rudd / Foto: New Statesman
Amber Rudd diz que usará ‘vantagens tecnológicas’ para garantir que ‘a questão da imigração será bem tratada’ (Foto: New Statesman)

 

Mais de 3 milhões de cidadãos da União Europeia (UE) que vivem no Reino Unido após a decisão do país de sair do bloco – o Brexit – terão de usar “alguma forma de documentação”, disse a secretária do Interior, Amber Rudd, de acordo com informações do jornal britânico The Guardian.

Rudd disse para os parlamentares britânicos que ela aind

a não definiu os detalhes sobre qualquer novo documento de identidade para cidadãos da União Europeia, mas afirmou, segundo Guardian, que “haverá a necessidade de ter algum tipo de documentação”. “Nós vamos fazê-lo de maneira gradual para garantir que usaremos todas as vantagens tecnológicas para ter certeza que a questão da imigração será bem tratada”, declarou.

As declarações da secretária do Interior ocorreram em resposta a Hilary Benn, do Partido Trabalhista, que disse no Parlamento que os cidadãos da UE que já vivem no Reino Unido necessitam ser registrados, para que empregadores e locadores de imóveis possam distinguir as pessoas que chegaram ao país antes e depois do Brexit.

Segundo apurou o Guardian, a Secretaria do Interior ainda deve esclarecer quem teria de se registrar, mas acredita-se que os cidadãos irlandeses que vivem no Reino Unido, cerca de 100 mil pessoas, devem ficar isentos de qualquer pedido de documentação. Caso os cidadãos irlandeses tenham de se registrar, isso complicaria a situação na Irlanda do Norte, já que mais de 20% da população possui apenas passaportes irlandeses.