Publicado em 08/04/2020 às 15h24.

Diretor da OMS se defende de ataques racistas: ‘Orgulho de ser preto’

Alvo de ataques há dois meses, Tedros Ghebreyesus se disse preocupado em salvar vidas, mas não tolera insultos à África

Redação
Foto: Twitter/OMS
Foto: Twitter/OMS

 

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, se defendeu dos ataques racistas que vem sofrendo nas redes sociais. Embora tenha dito em coletiva de imprensa que “não dá a mínima importância” a ataques pessoais ou ameaças, Ghebreyesus sugeriu que há limites que precisam ser respeitados.

“Posso dizer-lhe ataques pessoais que vêm ocorrendo há mais de dois, três meses. Abusos ou comentários racistas, dando-me nomes, preto ou negro. Tenho orgulho de ser negro, orgulho de ser preto”, disse, de acordo com o G1.

Ghebreyesus reforçou que sua única preocupação no momento é salvar vidas, em risco decorrente da pandemia do novo coronavírus. No entanto, o diretor-geral da OMS declarou também que não tolera insultos à África.

“As pessoas estão cruzando a linha”, acrescentou.

Tedros Adhanom Ghebreyesus nasceu na Etiópia, e foi ministro da Saúde do país entre 2005 e 2012. Posteriormente, ocupou o cargo de ministro de Relações Exteriores da nação entre 2012 e 2016. À frente da OMS desde julho de 2017, seu mandato termina em 2022.

PUBLICIDADE