Publicado em 10/08/2022 às 08h38.

Herdeira da Basf renuncia a 90% da fortuna de R$ 22 bilhões

Marlene Engelhorn, 29 anos, afirma que muito dinheiro traz mais problema do que vantagem e defende maior taxação em grandes fortunas

Redação
Foto: reprodução/Twitter
Foto: reprodução/Twitter

 

Uma das herdeiras do conglomerado químico Basf, Marlene Engelhorn, 29 anos, decidiu renunciar a 90% da fortuna de 4,2 bilhões de euros  – ou R$ 22 bilhões – a que teria direito.  A jovem alega que todo este dinheiro não a faria feliz já que “não fez nada para receber o dinheiro, sendo pura sorte, acaso do nascimento”.

Mesmo os 10% que aceita receber só chegará na conta de Marlene Engelhorn após sua avó, Traudl Engelhorn-Vechiatto, 94 anos, falecer. A atual sócia da Basf revelou o testamento há dois anos. A jovem também nunca trabalhou na empresa da família, que no ano passado teve faturamento de 7,8 bilhões de euros ou R$ 41 bilhões.

Marlene Engelhorn afirma que muito dinheiro se torna um problema e não uma vantagem, porque leva à tensões e mal-entendidos.”Que vantagem eu teria em ser super-rica. Uma riqueza só para mim? Vou acabar ficando sozinha”, defendeu. Ela estuda Literatura na Universidade de Viena (AUS).

A jovem faz parte de uma associação internacional de jovens ricos, “Millionaires for Humanity” (Milionários para a Humanidade, na tradução em português). Em um vídeo no site da associação, ela declara que “os bilionários não deveriam ter o direito de decidir se e como vão contribuir com a sociedade” pois a “justiça social é o maior interesse de todos”.

Ela também é uma das fundadoras do movimento “Tax Me Now” (Me taxa agora). Em maio, durante o Fórum Econômico de Davos, Engelhorn circulou pelas estradas da cidade suíça com uma placa com os escritos “In Tax We Trust” (Em impostos nos acreditamos).

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.