Publicado em 16/12/2016 às 16h58.

Adsumus: desembargador do TJ-BA manda recursos para Justiça Federal

Empresários e políticos são alvos de investigação na operação Adsumus, suspeitos de participar de um esquema de fraudes de licitações

Rodrigo Daniel Silva
Foto: Nei Pinto/Ascom TJ-BA
Foto: Nei Pinto/Ascom TJ-BA

 

O desembargador do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), Julio Cezar Travessa, em decisão monocrática, mandou os recursos do vice-prefeito de Santo Amaro, Leonardo Araújo Pacheco Pereira, e de mais quatro envolvidos no esquema de corrupção investigado pela Operação Adsumus para o Tribunal Regional Federal (TRF) da 1ª Região, que fica em Brasília.

Foram enviados também para capital federal os recursos do secretário municipal de Obras, Luís Eduardo Pacheco Alves, e dos empresários Hildecarlos Seixas de Souza, Jachson Cesar Rocha Azevedo e Paulo Sérgio Soares Vasconcelos. Todos já foram presos na operação, mas apenas Jachson Azevedo continua atrás das grades.

Nas ações judiciais, as defesas pedem que os clientes permaneçam em liberdade. Na decisão, o magistrado ressalta que os contratos das obras supostamente fraudadas pelos acusados tiveram recursos repassados pela União, o que caracteriza a competência da Justiça Federal para processar e julgar os fatos criminosos.

“Ora, os recursos financeiros repassados pela União para o município de Santo Amaro eram, inequivocamente, bens patrimoniais do ente federal que foram entregues ao ente político para consecução de serviços públicos de interesse da população local, ferindo, frontalmente, seu patrimônio e o interesse da União de ter suas verbas adequadamente aplicadas”, frisou o desembargador.

Afastamento – Nesta quinta-feira (15), a juíza Ana Gabriela Trindade determinou o afastamento imediato do prefeito de Santo Amaro, Ricardo Machado (PT), e do seu vice Leonardo Pacheco.

Na mesma sentença, a magistrada ainda decretou a indisponibilidade dos bens dos gestores e dos empresários Luís Eduardo Pacheco, Roberto José Oliveira Santana, Rafaela dos Santos Santana Hedjazi, além das empresas Grautech Construtora Ltda, Oliveira Santana Construções Ltda, Prenorte Indústria e Comércio para Materiais de Construção e MRC Construções e Serviços.

Procurado pela reportagem, o petista não atendeu nem retornou aos telefonemas.