Publicado em 18/10/2017 às 18h43.

Bancada evangélica prepara rebelião na Câmara de Salvador

Em reservado, vereadores alegam ainda que a oposição não encontra dificuldades na Casa para aprovar matérias mais progressistas

Alexandre Galvão
Foto: Reprodução/ Facebook/ Lorena Brandão
Foto: Reprodução/ Facebook/ Lorena Brandão

 

A bancada evangélica na Câmara Municipal de Salvador (CMS) – sobretudo as mulheres – prepara uma rebelião na segunda-feira (23). Segundo apurou o bahia.ba, a chateação da bancada é fruto da não aprovação de matérias que o grupo julga ser necessárias. Um exemplo disso é a moção de repúdio ao banco Santander, que abrigou a exposição Queermuseum.

Em reservado, vereadores alegam ainda que a oposição não encontra dificuldades na Casa para aprovar matérias mais progressistas, e que vão de encontro com “os ensinamentos da Bíblia”. Protestos, por exemplo, surgiram com a aprovação da proposta do líder da oposição, José Trindade (PSL), que assegurou a inscrição de casais homoafetivos na categoria de entidade família em programas de habitação popular administrados pela prefeitura da capital baiana.

Passa pela estratégia de guerrilha das vereadoras a inscrição no pinga-fogo das segundas. O instrumento é o período nas sessões ordinárias em que os edis se alistam para se pronunciar, sem distinção partidária ou temática. As evangélicas tentarão, em bloco, fazer a inscrição e, do alto do púlpito, criticar com veemência a aprovação de alguns projetos e o impedimento de outros.

PUBLICIDADE