Publicado em 08/08/2020 às 11h30.

Bolsonaro condiciona recriação da Segurança Pública à autonomia do BC

Presidente não quer ser novamente criticado por elevar o atual número de ministérios

Redação
Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

 

O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), decidiu condicionar a recriação do Ministério da Segurança Pública à aprovação pelo Congresso do projeto de lei que prevê autonomia do Banco Central.

Segundo informações da Folha de S.Paulo, em conversa no último final de semana com dois aliados, ele disse que não vale a pena reativar a estrutura se não tiver à sua disposição mais cargos de livre nomeação.

Além disso, Bolsonaro não quer ser novamente criticado por elevar o atual número de ministérios, hoje em 23, mais do que havia acenado durante a campanha eleitoral.

A aprovação da proposta de autonomia da instituição financeira resolveria, na opinião de Bolsonaro, as duas questões.

Segundo o texto do projeto de lei complementar em tramitação na Câmara dos Deputados, de autoria do Executivo, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, perderia o status de ministro e ganharia o cargo de natureza especial de presidente do BC. A esse projeto ainda será anexada uma proposta que deve ser votada pelo plenário do Senado.

A mudança deixaria o número total de ministros inalterado, mesmo com a nomeação de um novo auxiliar do governo.