Publicado em 25/10/2019 às 11h54.

Caso Marcell: ‘Não tem problema político’, diz vice-presidente do Conselho de Ética

"Isso é uma questão pessoal, não tem problema político, não chegou nada aqui na Casa", afirma ao bahia.ba o deputado Sandro Régis

Chayenne Guerreiro
Fotos: Alba/arquivo pessoal/edição bahia.ba
Fotos: Alba/arquivo pessoal/edição bahia.ba

 

Acusado de agredir um assessor parlamentar da Assembleia Legislativa da Bahia (Alba), o deputado Marcell Moraes não deve sofrer nenhuma penalidade no âmbito legislativo, pelo que dá a entender o vice-presidente do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Casa, deputado Sandro Régis (DEM).

Questionado pelo bahia.ba sobre possível quebra de decoro por parte de Marcell (o agredido é um servidor da Assembleia), Régis afirmou na manhã desta sexta-feira (25) que “não tem problema político”. “Não vou me envolver nisso não, isso é uma questão pessoal, não tem problema político, não chegou nada aqui na Casa”, afirmou o deputado.

Primo de Marcell Moraes, Lucas Carvalho de Matos é secretário parlamentar da Assembleia Legislativa. Exonerado do gabinete do primo em maio de 2018, ele foi nomeado logo em seguida no gabinete do então deputado estadual Adolfo Viana (PSDB).

Com a eleição de Adolfo para a Câmara dos Deputados, Lucas retornou para o gabinete de Marcell, com um salário de R$ 6 mil. Em maio, passou a receber R$ 8 mil e, em julho, seus vencimentos passaram para R$ 10 mil.

No começo de agosto, mudou novamente de posto, e passou a ganhar R$ 11 mil – salário mais alto para o cargo de secretário parlamentar na Assembleia.

PUBLICIDADE