Publicado em 26/01/2016 às 14h00.

Dilma e autoridades têm até o dia 5 para falarem na Zelotes

Todos poderão, no entanto, encaminhar documento à Justiça com a alegação de que não têm nada a dizer sobre a investigação

Redação
Foto: Roberto Stuckert Filho/PR
Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

 

Arroladas como testemunhas de réus presos na Operação Zelotes, autoridades com foro privilegiado, entre as quais a presidente Dilma Rousseff e o ministro da Educação Aloizio Mercadante, deverão se manifestar até o dia 5 de fevereiro, determinou o juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10 ª Vara Federal de Brasília. Além de Dilma e Mercadante, foram intimados a depor os senadores Walter Pinheiro (PT-BA), Humberto Costa (PT-PE), José Agripino (DEM-RN) e Tasso Jereissati (PSDB-CE); o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB); os deputados  José Carlos Aleluia (DEM-BA), Alexandre Baldy (PSDB-GO) e José Guimarães (PT-CE), líder do governo na Câmara; e o prefeito de Catalão (GO), Jardel Sebba.

Todos eles, porém, poderão encaminhar documento à Justiça com a alegação de que não têm nada a dizer sobre a investigação, que apura um suposto esquema de venda de medidas provisórias. Foi o que fez, por exemplo, o senador Cristovam Buarque (PDT-DF), arrolado como testemunha do presidente da Mitsubishi do Brasil, Robert Rittscher, um dos 16 denunciados. Informações do G1.

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.