Publicado em 06/03/2020 às 18h00.

‘Feeling’ orientou Rui sobre preferência por Norma Cavalcanti e major Denice

Governador participa da cerimônia de posse da nova chefe do Ministério Público, que sucede a promotora Ediene Lousado

Chayenne Guerreiro / Estela Marques
Foto: Chayenne Guerreiro/ bahia.ba
Foto: Chayenne Guerreiro/ bahia.ba

 

O “feeling” foi o condutor das últimas escolhas do governador Rui Costa. Aconteceu com sua aposta na major Denice Santiago como forte candidata à prefeitura de Salvador – cuja pré-candidatura ainda não definida – e com a escolha da sucessora da promotora Ediene Lousado no Ministério Público da Bahia.

“Todos têm qualidades, todos são muito capacitados, então não é pela capacitação que você consegue diferenciar. É através da sensibilidade mesmo, do ‘feeling’ pra aquele momento, pra aquela tarefa que você acaba escolhendo. Conversei com os três [nomes da lista tríplice] e resolvi prestar homenagem às mulheres, permanecendo uma mulher na condução do Ministério Público”, explicou o governador, momentos antes de dar posse a Norma Cavalcanti como nova chefe do MP-BA.

Quanto à major Denice Santiago, Rui insistiu que o nome dela é o mais adequado não por causa de opinião pública, mas por causa do “feeling”. Na visão do petista, política é muito isso, afinal.

“Talvez sensação, sensibilidade. Acho que a cidade está precisando de um cuidado materno, de alguém com sensibilidade pra proteger as mulheres, proteger as mães, pra ter um olhar mais feminino para os cuidados dos problemas da cidade”, explicou.