Publicado em 05/01/2016 às 17h49.

Governador também acha que PT ‘se lambuzou’

Rui Costa corrobora argumento do ministro da Casa Civil Jaques Wagner e defende que PT reconheça os próprios erros

Ivana Braga
Foto: Manu Dias/ GOVBA
Foto: Manu Dias/ GOVBA

 

O governador Rui Costa defendeu, nesta terça-feira (5), as declarações do ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, alvo de muitas críticas do PT por ter afirmado que o partido teria “se lambuzado”, em referência ao envolvimento de petistas nos escândalos do mensalão e desvios de recursos da Petrobras. Para o chefe do Executivo baiano, o ministro está correto em suas afirmações, embora devesse ressaltar que a prática não é da legenda e de sua militância, mas de uma parcela dos seus integrantes. “O primeiro passo para que não voltemos a errar é reconhecer os nossos erros e o que Wagner fez foi isso, assumir publicamente que essa parcela do partido errou. Só acho que não pode generalizar”, disse Rui Costa.

No entendimento do governador, o PT copiou a prática usada pelo PSDB em Minas Gerais praticamente da mesma forma e com os mesmas personagens, que teriam se aproximado da sigla com tal objetivo. “O resultado foi esse e a presidente Dilma Rousseff está pagando por esse erro de setores do partido”, admitiu Costa, ao discordar que a crise de credibilidade gerada pela Operação Lava Jato, que já indiciou diversos empresários e políticos, seja orquestrada pela imprensa. “O partido errou e tem que reconhecer isso”, admitiu.

Para o petista, a corrupção não é medida pelos valores. “Tanto faz desviar R$ 10 quanto alguns milhões. A corrupção não é aceitável em nenhum grau. Estamos falando do dinheiro público, do cidadão, que deixou de ser investido em seu benefício”, avaliou.

Sobre as declarações do prefeito de Salvador de que “se o BRT não sair é por perseguição política”, ele discordou da tese e assinalou que o governo federal tem assegurado os recursos para melhorar a mobilidade da cidade, a exemplo dos investimentos no metrô.