Publicado em 01/06/2020 às 20h40.

Impeachment só acontece se houver participação popular, avalia Nilo

Na avaliação do parlamentar, Jair Bolsonaro tem responsabilidade no confronto do último domingo ao participar de atos antidemocráticos

Estela Marques
Foto: Vinícius Loures/ Câmara dos Deputados
Foto: Vinícius Loures/ Câmara dos Deputados

 

O presidente da bancada baiana no Congresso Nacional, deputado Marcelo Nilo, avalia que o presidente Jair Bolsonaro tem responsabilidade no confronto do último domingo (31). Manifestantes antifascismo que protestavam na Avenida Paulista foram confrontados por bolsonaristas pró-fechamento do Supremo Tribunal Federal e do Congresso.

Na avaliação do parlamentar, a participação de Bolsonaro em atos antidemocráticos, como tem acontecido em Brasília nas últimas semanas, leva as pessoas a esse extremo.

“Estamos num barco à deriva. Confrontos numa pandemia é muito ruim, demonstra que a pandemia não está sendo prioridade para o governo”, avaliou o deputado, em conversa com o bahia.ba.

Apesar da postura do presidente, já interpretada como crime de responsabilidade e passível de impeachment, Nilo acredita que ainda não é o momento de pensar no afastamento do presidente. Se não fosse a pandemia, certamente Bolsonaro já estaria sendo investigado por uma CPI.

“Acho que o impeachment só depois da pandemia, pois só acontece se houver participação popular. E o povo não pode ir pra rua”, acrescentou.