Publicado em 24/04/2019 às 12h33. Atualizado em 24/04/2019 às 13h23.

‘Maior injustiça já cometida nesse país’, diz Rui sobre condenação de Lula

Segundo o governador, Sergio Moro “provou militância política” ao assumir o Ministério da Justiça e Segurança Pública após condenar o ex-presidente

Alexandre Santos
Foto: Luiz Felipe Fernandez/bahia.ba
Foto: Luiz Felipe Fernandez/bahia.ba

 

O governador Rui Costa (PT) voltou a afirmar que a prisão do ex-presidente Lula é “a maior injustiça já cometida na história do país”. 

“Se faria justiça ao declarar a inocência de Lula. Alguém não pode ser condenado por um crime em que não há prova alguma”, declarou Rui na manhã desta quarta-feira (24), um dia depois de o Superior Tribunal de Justiça (STJ) reduzir a pena do ex-líder petista no caso do triplex do Guarujá (SP). A corte, contudo, manteve a condenação de Lula pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.   

Em coletiva à imprensa, Rui também criticou o atual ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, à época juiz da 13ª Vara Federal de Curitiba, que sentenciou o ex-presidente. Para o governador, é ruim para o país “misturar Justiça com política”. “A prova da militância política dele foi que, assim que condenou o ex-presidente, assumiu o ministério. É péssimo para qualquer país quando a Justiça se mistura com a política”. De acordo com o governador, cada uma tem o seu papel institucional, mas devem exercer funções diferentes.

Condenação de Lula 

A 5ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) acolheu parcialmente o recurso da defesa de Lula e baixou o tempo de reclusão de 12 anos e 1 mês para 8 anos, 10 meses e 20 dias. De acordo com a pena fixada, Lula terá que cumprir 17 meses para ir ao semiaberto. Como já cumpriu cerca de 13 meses, faltariam quatro. 

A decisão do STJ abre possibilidade de o petista deixar a cadeia ainda neste ano.

PUBLICIDADE

Mais notícias