Publicado em 03/12/2015 às 20h19.

Neto rebate Solla: ‘O impeachment não pode ter relação com Cunha’

Segundo o prefeito de Salvador, Eduardo Cunha tem que responder pelos erros independentemente de impeachment

Luís Filipe Veloso

Após a inauguração da iluminação de Natal na noite desta quinta-feira (3) pela prefeitura de Salvador, o prefeito ACM Neto (DEM) rebateu, em entrevista ao bahia.ba, a declaração supostamente feita por ele, que causou polêmica e levou o deputado federal Jorge Solla (PT) a criticá-lo nas redes sociais. “O nosso foco é a Dilma. O nosso foco não é o Eduardo Cunha”, teria dito o alcaide, em Brasília, após reunião da oposição, conforme publicação do jornal O Globo.

Pela internet, Solla bradou: “Absorver um corrupto em troca do impeachment, pode prefeito? Que vergonha. (…) Neto constrange a Bahia com a flexibilidade oportunista de sua ética. É muita cara de pau querer derrubar a presidente Dilma Rousseff, contra quem não há nada, com base em pretextos contábeis; e para viabilizar esse golpe absolver um corrupto afundado na lama, o Eduardo Cunha”, escreveu o petista.

Conforme o prefeito, o impeachment de Dilma não pode estar relacionado às acusações contra o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB). “Uma coisa (o impeachment de Dilma) não poder ter relação com a outra. O Eduardo Cunha tem que responder pelos erros que ele eventualmente tenha cometido, independentemente de ter autorizado ou não o impeachment”, disse o prefeito.

Ele prefere não comentar o processo que pede a cassação do mandato de Cunha no Conselho de Ética da Câmara. “É um processo parlamentar, não tenho nada a opinar, vai transcorrer na Câmara e caberá ao Congresso se pronunciar. Respeitarei a decisão do meu partido, mas como prefeito não irei me pronunciar”, afirmou, ao se referir ao apoio do DEM ao peemedebista no colegiado.

PUBLICIDADE