Publicado em 14/06/2019 às 14h19.

Paulo Guedes critica relatório da Previdência e Maia convoca coletiva

Ministro pontuou que esperava um corte, mas não do tamanho do que foi feito

Redação
Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil
Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

 

O ministro da Economia do governo, Paulo Guedes, criticou publicamente o relatório da reforma da Previdência, apresentado nesta quinta (13) na comissão especial da Câmara dos Deputados.

Segundo Guedes, “houve um recuo que pode abortar a nova Previdência”.

“O recuo é que pelo menos pressões corporativas e de servidores do Legislativo forçaram o relator a abrir de 30 bilhões de reais para os servidores do Legislativo que já são favorecidos no sistema normal, então recuaram na regra de transição. E como isso ia ficar feio, recuar só nos servidores, aí estenderam também para o regime geral”, explicou.

O ministro pontuou que esperava um corte na economia gerada nos próximos 10 anos, mas não do tamanho do que foi feito.

“Eu esperava que cortassem o BPC e o Rural, daí ficava 1 trilhão de reais. Porque com 1 trilhão, eu alertei varias vezes, nós conseguimos lançar a nova previdência, que é o compromisso com as futuras gerações. Mas aí, na verdade, cortaram 350 bilhões de reais”, falou.

Depois das críticas, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), convocou uma coletiva de imprensa e pretende rebater as críticas do ministro.

Em seu pronunciamento, Paulo Guedes ainda destacou que daqui a algum tempo haverá a necessidade de se aprovar uma nova reforma da Previdência.

“Eu não vou criticar, eu estou esclarecendo e vou respeitar a decisão do Congresso. Agora, é importante que os deputados, que o relator, se aprovar a reforma do relator, que são 860 bilhões de reais de corte, abortaram a nova Previdência. Mostraram que não há compromisso com as futuras gerações. O compromisso com os servidores públicos do Legislativo parece maior do que das futuras gerações”, disse.