Publicado em 02/10/2019 às 22h00.

Renan diz sentir asco de Janot e pede à OAB que o impeça de advogar

Para senador, confissão de ex-procurador-geral da República de ter planejado assassinar Gilmar Mendes é "desonra" à atividade profissional

Redação

 

 

 Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

 

O senador Renan Calheiros (MDB-AL) enviou um requerimento ao Tribunal de Ética e Disciplina do Conselho da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) pedindo a exclusão e o cancelamento da inscrição do ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

No requerimento, Calheiros diz que a confissão de Janot de ter planejado o assassinato do ministro Gilmar Mendes, do STF (Supremo Tribunal Federal) “não causa apenas perplexidade: causa asco”. “Os fatos”, de acordo com o senador, “demonstram desonra à atividade profissional dos advogados de maneira acachapante”.

No livro, “Nada Menos que Tudo” (editora Planeta), escrito com a colaboração dos jornalistas Jailton de Carvalho e Guilherme Evelin, Janot diz que foi armado ao STF em maio de 2017. Embora ele não mencione o nome de Gilmar Mendes no livro, Janot disse em entrevistas que ele era o alvo do plano.

“Num dos momentos de dor aguda, de ira cega, botei uma pistola carregada na cintura e por muito pouco não descarreguei na cabeça de uma autoridade de língua ferina que, em meio àquela algaravia orquestrada pelos investigados, resolvera fazer graça com minha filha”, narra Janot no livro.

Renan Calheiros encerra o requerimento afirmando que “no caso de não acolhimento do pleito”, “requer-se” que o órgão “aplique as sanções que entender cabíveis”. As informações são da coluna de Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo.

PUBLICIDADE