Publicado em 14/03/2019 às 18h18.

Secretário é contra professores armados nas salas de aula: ‘Não é o caminho’

Senador Major Olímpio (PSL) defendeu a ideia depois da tragédia na escola de Suzano, em São Paulo, onde seis crianças foram executadas

Breno Cunha
Foto: Divulgação/Assessoria
Foto: Divulgação/Assessoria

 

O senador Major Olímpio (PSL) levantou uma grande polêmica ao defender professores armados dentro das salas de aula, diante da tragédia em Suzano, São Paulo. Para ele, a tragédia seria menor se os professores estivessem com armas. Seis jovens morreram.

O secretário de Educação de Salvador, Bruno Barral, discorda da tese do senador. Questionado pelo bahia.ba, ele disse que “esse não é o caminho” e alertou que “quem está armado nem sempre leva vantagem [em um confronto]”.

Repetindo o que já defendeu o prefeito ACM Neto em outras oportunidades, Bruno se colocou contra a liberação de armamento irrestrito.

“Ainda mais na educação, onde a gente pensa sempre em razão, conhecimento, serenidade. É uma temeridade imaginar que vamos combater [a violência] através de armamento”, defendeu. “Não cabe essa discussão”, acrescentou.

Segundo o secretário, a segurança nas escolas municipais em Salvador é feita pela Guarda Municipal, com a ronda diária, e os agentes de portaria.

PUBLICIDADE
Temas: bruno barral