Publicado em 19/05/2017 às 19h27.

Wagner sai em defesa de Temer em episódio de gravação: ‘Algo perigoso’

Secretário também se posicionou contra a cassação da chapa Dilma-Temer: "Cassar é dizer que a chapa teve trambique. Na minha opinião, não teve"

Rodrigo Aguiar
Foto: Roberto Viana/ bahia.ba
Foto: Roberto Viana/ bahia.ba

 

O ex-governador da Bahia, Jaques Wagner, saiu em defesa do presidente Michel Temer (PMDB) no episódio da gravação feita pelo empresário Joesley Batista, da JBS.

De acordo com o ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), “não há ilegalidade” no procedimento.

“Eu acho que esse Estado policial, grampear um presidente da República, mesmo ilegítimo, é algo extremamente perigoso. Eu sou um pouco mais cauteloso. ‘Fora Temer’ porque ele sentou na cadeira sem voto, pelo golpe parlamentar”, disse o secretário estadual de Desenvolvimento Econômico nesta sexta-feira (19), antes da abertura do congresso estadual do PT, em Salvador (confira vídeo abaixo).

Wagner criticou a atitude do proprietário da JBS, que firmou acordo de delação premiada. “Alguém que bota um gravador no corpo e vai gravar alguém com quem tinha relação, não sei qual é a palavra para desqualificá-lo”, declarou.

O ex-governador acrescentou ainda que não faria “coro” contra Temer no caso, apesar de acreditar que o peemedebista deveria ser punido “por causa do golpe”.

O petista chegou a dizer que o ex-vice de Dilma Rousseff foi “usado” no processo de impeachment. “Temer se arriscou e pode estar pagando o preço. A quem interessa o golpe, usou ele como laranja, chupou o suco e agora joga fora o bagaço”, comparou.

Wagner também se posicionou contra a cassação da chapa Dilma-Temer no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e fez um “alerta” aos petistas. “Na minha opinião, não tem porque cassar. Estaria dizendo que a eleição da Dilma foi uma fraude. Nós, petistas, não podemos entrar nessa. Já vi gente torcendo para que o caboclo casse como forma de tirar ele [Temer]. Cassar é dizer que a chapa teve trambique. Na minha opinião, não teve”, apontou.

Na conversa gravada, Temer teria cometido, no mínimo, o crime de prevaricação, ao não comunicar uma operação feita por Joesley para obstruir a Justiça.

Recentemente, em entrevista, Wagner admitiu saber que “alguém” no seu governo negociou propina com a Odebrecht.