Publicado em 13/10/2020 às 10h54.

ACM Neto critica ‘deboche’ da população e sugere intervenção da PM nas praias

Prefeito voltou a lamentar desrespeito de parte da população às regras sanitárias; gestor aponta aumento na ocupação de leitos pediátricos

Alexandre Santos / Matheus Morais
ACM Neto (DEM), prefeito de Salvador (Foto: Matheus Morais/bahia.ba)
ACM Neto (DEM), prefeito de Salvador (Foto: Matheus Morais/bahia.ba)

 

O prefeito ACM Neto (DEM) informou na manhã desta terça-feira (13) que 70% das UTIs pediátricas para tratamento de Covid-19 em Salvador estão ocupadas. Já a demanda por leitos para pacientes adultos está sob controle, com taxa de 37%. Os dados foram divulgados durante uma coletiva de imprensa na qual o gestor voltou a lamentar o desrespeito de parte da população às regras sanitárias nas praias da capital.

Em tom irritadiço, ACM Neto afirmou que essas pessoas têm agido com “deboche” diante do trabalho de fiscalização executado pela Secretaria de Ordem Pública e pela Guarda Civil Municipal. No último fim de semana, segundo o prefeito, as praias da Ribeira, Piatã, Itapuã e Flamengo concentraram a maioria dos casos de burla a medidas de prevenção, como o uso de máscaras e o distanciamento entre os frequentadores.

“Está havendo aí um aumento no número de casos e, consequentemente, também de casos graves que envolvem crianças. Mas é isso aí. É a consciência de cada um. Se acham que o caminho deve ser do deboche, ok! Nós faremos o nosso trabalho no nosso limite. Mais do que o nosso limite nós não vamos fazer, não tem sentido”, criticou o prefeito.

O prefeito sugeriu que uma intervenção da Polícia Militar talvez possa assegurar uma fiscalização mais ampla. “Mas eu repito: essa não é uma decisão que cabe a mim, porque não está sob a nossa jurisdição.”

“Vocês podem ver como as pessoas se comportam. Depois, levantam o dedo para exigir alguma coisa da prefeitura. Essas pessoas não têm direito de exigir nada, de ninguém. Porque a Guarda Civil chegava, fazia o ordenamento. Aí a Guarda Civil saída, e as pessoas voltavam em tom de escárnio, de deboche. Essas pessoas estão debochando das vidas delas próprias, dos seus familiares, dos seus vizinhos, dos seus colegas de trabalho e de cada cidadão da nossa cidade”, criticou o chefe do Executivo soteropolitano.