Publicado em 11/05/2021 às 07h09.

Anvisa manda suspender uso da AstraZeneca em gestantes enquanto Ministério investiga morte

Saúde informou que foi notificada sobre o caso pelas secretarias municipal e estadual de Saúde do RJ e que está reavaliando imunização de gestantes sem comorbidades

Redação
Foto: Divulgação/ Ministério da Saúde
Foto: Divulgação/ Ministério da Saúde

 

O Ministério da Saúde está investigando o caso de uma gestante que morreu no Rio de Janeiro, depois de ser imunizada contra a Covid-19 com a vacina AstraZeneca. A pasta informou que foi notificada sobre o caso pelas secretarias municipal e estadual de Saúde do Rio.

“Cabe ressaltar que a ocorrência de eventos adversos é extremamente rara e inferior ao risco apresentado pela Covid-19. Neste momento, a pasta recomenda a manutenção da vacinação de gestantes, mas reavalia a imunização no grupo de gestantes sem comorbidades”, disse o Ministério, em nota enviada à coluna Painel da Folha de S.Paulo.

Enquanto a pasta investiga a causa da morte, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) decidiu recomendar a suspensão imediata da vacina, segunda a ser aplicada no Brasil por intermédio da Fiocruz.

A orientação da agência é para que a indicação da bula da AstraZeneca seja seguida. Nela não consta o uso em gestantes. “A orientação da Anvisa é que a indicação da bula da vacina AstraZeneca seja seguida pelo Programa Nacional de Imunização (PNI). A orientação é resultado do monitoramento de eventos adversos feito de forma constante sobre as vacinas Covid em uso no país. O uso ‘off label’ de vacinas, ou seja, em situações não previstas na bula, só deve ser feito mediante avaliação individual por um profissional de saúde que considere os riscos e benefícios da vacina para a paciente. A bula atual da vacina contra Covid da AstraZeneca não recomenda o uso da vacina sem orientação médica”, afirmou a Anvisa, por meio de nota.

Em abril, o secretário de Atenção Primária à Saúde do Ministério da Saúde, Raphael Câmara, afirmou que as variantes do coronavírus no Brasil têm se mostrado mais agressivas em grávidas e que a pasta recomenda postergar a gravidez nesse período crítico da pandemia. Câmara, porém, não especificou a quais variantes se referia nem mostrou pesquisas que comprovem que as novas variantes sejam mais agressivas especialmente nesse público.

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.