Publicado em 20/01/2021 às 13h28.

Após pedido da Bahia, Anvisa terá que fornecer dados sobre análise da ‘Sputnik V’

Em acordo assinado com a Rússia, estado garantiu o fornecimento de 50 milhões de doses da vacina

Redação
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

 

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) terá que fornecer informações sobre a análise do pedido de uso emergencial da vacina russa Sputnik V. A determinação foi feita pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski, nesta quarta-feira (20) após um pedido apresentado pelo Governo do Estado da Bahia.

“Considerada a afirmação do autor [governo da Bahia], feita na petição inicial, de que já foi requerida a autorização temporária para uso emergencial da vacina Sputnik V, informe, preliminarmente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no prazo de até 72h, se confirma tal afirmação e, em caso positivo, esclareça qual o estágio em que se encontra a aprovação do referido imunizante, bem assim eventuais pendências a serem cumpridas pelo interessado”, diz um trecho da determinação.

O pedido para importar e distribuir vacinas sem a liberação da Anvisa foi feito pela Bahia ao STF. No documento, o estado inclui que o imunizante deverá ter recebido aval de autoridades sanitárias estrangeiras e a certificação da Organização Panamericana de Saúde (Opas).

A vacina Sputnik V, produzida pela Rússia, já teve o uso emergencial aprovado em países como Argentina, Bolívia, Venezuela e Paraguai. Em agosto do ano passado, Bahia assinou um acordo com o Fundo Soberano Russo e recebeu a garantia de fornecimento de 50 milhões de doses.

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.