Publicado em 11/01/2022 às 13h06.

Casos ativos, postos municipais e UTI definirão novos decretos

Em conversa com o bahia.ba, governador afirmou que estes são os pontos que norteam decretos de combate à Covid-19, que podem ser revisados na próxima semana

Adriano Villela / Mattheus Miranda
Foto: Matheus Miranda/bahia.ba
Foto: Matheus Miranda/bahia.ba

 

Três fatores levarão o governo do estado a restringir mais ou flexibilizar os decretos de combate ao novo coronavírus: a ocupação dos leitos de UTI, o número de casos ativos e a situação de UPAs e postos municipais. Os critérios foram detalhados pelo governador Rui Costa em conversa com o bahia.ba. “No momento eles estão lotados. Quanto mais lotados eles estejam, mais grave é o problema”, afirmou, após a solenidade de casas em Alagados.

Na segunda-feira (10), como resultado das festas de Réveillon, o governador reduziu o limite de públicos de eventos de 5 mil pessoas para 3 mil pessoas. Também adotou a exigência de bares e restaurantes cobrarem cartão de vacinação. A Bahia tem 4,4 mil casos ativos e cerca de 300 infectados hospitalizados em terapia intensiva.

“Se na semana que vem o número (de casos) for para 8 mil, se o número de internados for para 400,450, e as UPAs e enfermarias estiverem ainda mais cheias, é um sinal de que o quadro está se deteriorando. Ai nós vamos revisar o decreto. E o inverso também é verdadeiro. Se os números forem amenizados, os números de contaminados cairem, as emergências começarem a esvaziar e os números de internados começar a cair, é sinal que a doença está refluindo e a gente pode voltar a flexibilizar um pouco”.

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.