Publicado em 23/09/2020 às 12h43.

Eduardo e Flávio Bolsonaro visitam aldeia indígena no Amazonas sem usar máscaras

Sistema imunológico dos indígenas é mais sensível, já que não possuem histórico de interação com os mesmos vírus e bactérias

Redação
Foto: Reprodução/ Instagram Gilson Machado Neto
Foto: Reprodução/ Instagram Gilson Machado Neto

 

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) estiveram em uma aldeia indígena no Amazonas sem usar máscaras de proteção contra o novo coronavírus. Foto publicada no perfil de Gilson Machado Neto, presidente da Embratur, nas redes sociais mostra os filhos de Jair Bolsonaro sem máscara. Outras imagens publicadas pelo governador do Amazonas, Wilson Lima, confirmam o registro, apesar de, em outro momento, ambos terem utilizado o equipamento de proteção individual.

À coluna Painel, da Folha de S.Paulo, o advogado e liderança indígena Luiz Eloy criticou o “absurdo” revelado pela imagem. Segundo ele, a postura deixa visível o posicionamento de um governo que não tem responsabilidade com os protocolos sanitários, colocando em risco a vida dos povos originários.


Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Gilson Machado Neto (@gilsonmachadoneto) em

   


Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Wilson Lima (@wilsonlimaam) em

 

“Quando um vírus entra na aldeia, é muito diferente o impacto que tem no contexto urbano. Se você tem o ingresso de uma pessoa contaminada na aldeia, você tem o imediato espalhamento do vírus. Existe o risco concreto de ter a morte coletiva de comunidades inteiras. É uma irresponsabilidade muito grande. Mais um crime muito grave contra os povos originários do país”, acrescentou.

O sistema imunológico dos indígenas é mais sensível em relação à população urbana, já que não possuem histórico de interação com os mesmos vírus e bactérias. A exposição ao novo coronavírus implica riscos mais graves. Dados da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) indicam 32,9 mil contaminados e 825 mortos pela Covid-19, em 158 povos.