Publicado em 06/04/2020 às 08h43.

Empresário que produz cloroquina é militante bolsonarista, diz site

Presidente propagandeou medicamento como esperança de cura para o coronavírus; em 2018, fabricante obteve lucro de R$ 696 milhões

Redação
Foto: Reprodução/Youtube
Foto: Reprodução/Youtube

 

O medicamento composto por hidroxicloroquina que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) tem propagandeado como esperança de cura para o novo coronavírus é feito por uma empresa farmacêutica que tem como dono um grande entusiasta do bolsonarismo. As informações são do portal Metrópoles.

Segundo a publicação, a Apsen, que registrou lucro de R$ 696 milhões em 2018, produz o Reuquinol, que Bolsonaro mostrou até para os líderes do G-20 por teleconferência.

Presidente da empresa, Renato Spallicci faz apaixonada defesa do mandatário do país e críticas ao PT em suas redes sociais abertas (até a publicação da reportagem), como Instagram e Facebook.

Dias atrás, após a notícia de que o composto tem se mostrado promissor –a partir de testes em infectados pelo novo coronavírus–, o remédio se esgotou nas farmácias em todo o Brasil, deixando pacientes de doenças crônicas e autoimunes, como lúpus e artrite reumatoide, para os quais é indicado originalmente, sem o composto.

No último dia 26, Spallicci chegou a postar em seu Facebook a notícia de que o Reuquinol havia sido mostrado pelo presidente aos mais poderosos líderes mundiais. O próprio Bolsonaro levou remédios da Apsen para expor ao público (foto de destaque, a embalagem do lado direito).

A reportagem do Metrópoles diz ter entrado em contato com a Apsen para perguntar se Renato Spallicci mantém algum tipo de relação pessoal ou institucional com o presidente Jair Bolsonaro, mas não obteve resposta até a publicação do texto.



Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.