Publicado em 26/10/2020 às 13h39.

Juiz não pode decidir sobre obrigatoriedade de vacina, diz Bolsonaro

Declaração do presidente é uma resposta ao ministro Luiz Fux, do STF, que vê necessidade de judicialização da questão

Redação
Foto: Marcos Corrêa/PR
Foto: Marcos Corrêa/PR

 

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse nesta segunda-feira (26) que um juiz não poder querer decidir sobre a obrigatoriedade das possíveis vacinas contra a Covid-19. A fala é uma resposta à declaração feita na semana passada pelo presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Luiz Fux, que afirmou ver com bons olhos a Justiça entrar na discussão sobre a vacina do novo coronavírus e tomar uma decisão a respeito, o

“Entendo que isso [não] é uma questão de Justiça, é uma questão de saúde acima de tudo. Não pode um juiz decidir se você vai ou não tomar a vacina. Isso não existe. Nós queremos é buscar a solução para o caso”, afirmou Bolsonaro a apoiadores na porta do Palácio da Alvorada em uma transmissão editada feita por um canal pró-governo.

Segundo o jornal Folha de S. Paulo, o presidente disse que terá uma reunião nesta segunda com o ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, que foi diagnosticado na semana passada com Covid-19. O evento não aparece na agenda oficial do presidente.

Na sexta-feira (3), Fux havia dito que a questão da vacinação no país deveria ser judicializada. “Podem escrever, haverá uma judicialização, que eu acho que é necessária, que é essa questão da vacinação. Não só a liberdade individual, como também os pré-requisitos para se adotar uma vacina”, afirmou. O ministro, no entanto, não deu detalhes de como isso ocorreria.