Publicado em 22/01/2021 às 17h32.

Pesquisa mostra que agravamento do coronavírus pode ser previsto com ultrassom

Estudo foi feito com 180 pacientes, maioria homens, com idade média de 60 anos

Redação
Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil
Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

 

A ultrassonografia no pulmão pode prever um possível agravamento do quadro de pacientes internados com a Covid-19. Além disso, a ferramenta pode apontar quais casos demandam prioridade caso os recursos hospitalares sejam limitados. O estudo foi realizado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado (Fapesp) e publicado no jornal acadêmico Annals Of Intensive Care.

Para realizar a pesquisa, os estudiosos analisaram a pontuação de 12 áreas do pulmão por meio de um exame. Quanto mais pontos fossem vistos no órgão, maior a chance de complicações pelo novo coronavírus. O estudo foi feito com 180 pacientes, maioria homens, com idade média de 60 anos, que tiveram o resultado positivo após o exame RT-PRC, entre março e maio de 2020, no Hospital das Clínicas de São Paulo.

A pontuação média dos pacientes analisados foi de 18,7 pontos. De todas as pessoas submetidas ao teste, 74 precisaram ser internados em um leito de UTI, 52 foram intubados e 61 morreram.

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.