Publicado em 26/10/2020 às 14h04.

Pesquisa mostra que brasileiros resistem às vacinas chinesa e russa

Rejeição à imunização vinda do país asiático aumenta entre os que aprovam o governo Bolsonaro

Redação
Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil
Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

 

Uma pesquisa realizada pela Unb (Universidade de Brasília) revela que a população brasileira está menos propensa a receber uma vacina contra o coronavírus que tenha como origem a China, que seja fruto de uma parceria com laboratórios do país asiático, ou a Rússia. A informação é da coluna Painel, do jornal Folha de S. Paulo.

De acordo com o levantamento, a rejeição a um tipo de imunização chinesa aumenta ainda mais quando se trata da parcela do público que aprova a gestão do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

As conclusões estão presentes em estudo feito pelo Centro de Pesquisa em Comunicação Política e Saúde Pública da Unb. Foram entrevistados 2.771 pessoas no estudo.

Também participaram da pesquisa acadêmicos da Universidade Federal de Goiás, da Universidade Federal do Paraná e da canadense Western University.

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.