Publicado em 27/10/2020 às 12h28.

Rui Costa: ‘Falso debate’ sobre obrigatoriedade de vacina tenta enganar população

Governador voltou a criticar o presidente Jair Bolsonaro por, segundo ele, querer confundir a cabeça de parte dos brasileiros

Alexandre Santos / Raphael Minho
Rui Costa (PT), governador da Bahia (Foto: Raphael Minho/bahia.ba)
Rui Costa (PT), governador da Bahia (Foto: Raphael Minho/bahia.ba)

 

O governador Rui Costa (PT) criticou nesta terça-feira (27) o que chamou de “falso debate” em torno da possível obrigatoriedade de vacinação contra o novo coronavírus. “Eu não conheço mãe que não deixou de vacinar seu filho contra a poliomielite, paralisia infantil. Você conhece? É obrigado a mãe vacinar? Não. Não é obrigado. No Brasil é obrigado vacinar? Nunca foi”, reagiu o governador em entrevista coletiva durante agenda no Bairro da Paz.

“Então esse debate é falso. Está se querendo confundir a cabeça do brasileiro trazendo um debate que nunca existiu no Brasil. O que é obrigatório, e disso o povo brasileiro não vai abrir mão, é o governo comprar a vacina e disponibilizar paro povo. Isso é obrigatório”, acrescentou em seguida.

A discussão sobre a obrigatoriedade voltou a ganhar força na semana passada depois de o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, anunciar acordo para aquisição de imunizantes produzidos pela farmacêutica chinesa Sinovac em convênio com o Instituto Butantan, ligado ao governo paulista.

No dia seguinte, porém, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) descartou a compra pelo governo federal até que haja comprovação de eficácia, uma declaração redundante, já que a vacina não pode ser produzida para aplicação  sem que haja comprovação de eficácia e segurança.

Em meio à politização do tema, o STF (Supremo Tribunal Federal) deve decidir antes de a vacina da Covid-19 ficar pronta se caberá ou não ao Estado determinar que a população seja imunizada.

Em resposta, Bolsonaro disse que um juiz não pode querer decidir sobre a obrigatoriedade da imunização.

Para Rui Costa, o presidente age para enganar parte da população.

“O governo federal não está querendo comprar a vacina, está querendo iludir ou enganar parte da população confundindo, dizendo que alguém está querendo obrigar. Vacina nenhuma é obrigada, e essa não será”, afirmou o governador.