Publicado em 06/04/2021 às 11h46.

Secretário diz que ritmo de internações não diminui e vê pandemia ainda fora de controle

Fábio Vilas-Boas afirma que ocupação de UTIs só tem se mantido estável devido à ampliação de leitos

Alexandre Santos
Fábio Vilas-Boas, secretário de Saúde da Bahia (Foto: Fernando Vivas/ GOVBA)
Fábio Vilas-Boas, secretário de Saúde da Bahia (Foto: Fernando Vivas/ GOVBA)

 

O secretário de Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas, disse que os indicadores da pandemia no estado ainda não apontam para um cenário de estabilização sobretudo porque o número de pessoas internadas em leitos de UTI-Covid segue em ritmo crescente. O alerta foi feito em um comunicado divulgado na manhã desta terça-feira (6) pela assessoria do secretário.

“Os números permanecem em um patamar extremamente elevado. A taxa de ocupação de leitos de UTI, que gira aí em torno de 85%, 83%, já chegou até 81%, se mantém nesse patamar, relativamente controlado, graças à permanente e constante injeção de novos leitos que o governo do Estado vem fazendo em toda a Bahia junto com algumas prefeituras”, declarou Vilas-Boas.

Segundo dados do boletim epidemiológico atualizados até as 11h20, 83% das UTI estão ocupados atualmente: das 1.503 vagas disponíveis, 1.252 são demandadas por doentes com quadro grave do novo coronavírus. Outros pacientes 1.048 são assistidos em leitos de enfermaria.

“Se você analisar o número de pessoas internadas, ele está aumentando. A taxa está mantendo, mas o número de pessoas está aumentando. A pandemia não está controlada. Nós temos algumas regiões da Bahia, como a região sudoeste, como o oeste, como o extremo-sul, que estão passando por dificuldades. Nós temos dificuldades em remover esses pacientes pela recusa de familiares em saírem de locais muito longe para a região metropolitana de Salvador. Não é momento de se afrouxar. Precisamos manter todo o controle”, afirmou o secretário.

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.