Publicado em 28/05/2020 às 15h57.

Toque de recolher: Insubordinação a decretos e incidência de casos devem guiar decisão

De acordo com secretário Fábio Mota, responsável pelo grupo que avalia medidas restritivas nos bairros, prefeitura ainda analisa questão

Estela Marques
Foto: Bruno Concha/ PMS
Foto: Bruno Concha/ PMS

 

O prefeito ACM Neto cogitou e reafirmou a possibilidade de toque de recolher na capital baiana, como mais uma ação de enfrentamento do novo coronavírus, mas ainda não tem nada definido. O grupo responsável por avaliar as medidas restritivas nos bairros, liderada pelo secretário Fábio Mota (Mobilidade), ainda analisa como a população se comporta nesta semana de feriado.

O alerta da gestão se acendeu depois que, na segunda-feira (26), algumas pessoas comemoraram o São João com guerra de espadas. Uma das celebrações aconteceu em Periperi, bairro que está sob rígidas restrições a partir desta quinta-feira (28).

“A gente está analisando todos os números, como fazemos todos os dias. Hoje estamos com oito bairros com restrições. Se continuar nesses bairros, especificamente, aumentando os casos, insubordinação aos decretos que estabelecemos… Pode despertar para medida mais drástica”, explicou o titular da Secretaria de Mobilidade (Semob).

O período de análise do comportamento nos bairros, até mesmo para essa questão do toque de recolher, são os sete dias convencionais aos decretos de restrição regionalizada. Além de Periperi, também estão sob essa regra Lobato, Plataforma, Cosme de Farias, Massaranduba, Uruguai, Liberdade e Brotas (as ações terminam nesta quinta). No sábado (30), as ações passam a valer também em Pernambués.

De acordo com Fábio Mota, a prefeitura observa também indicadores como incidência de casos, óbitos, quantidade de pessoas transportadas e veículos, interdições e autuações da Secretarias de Desenvolvimento e Urbanismo (Sedur) nos bairros de São Marcos, Pau da Lima, Cajazeiras e Fazenda Grande. “Tudo isso é analisado para, no cruzamento dos dados, partir pra tomar medidas”, acrescenta.

Mais notícias