Publicado em 07/08/2019 às 07h34.

Vereadores governistas esvaziam sessão que instalaria CPI contra prefeito

Sem quórum, após o esvaziamento, a sessão foi suspensa pelo presidente do Legislativo, Herden Cristiano

Matheus Morais
Foto: Leitor/ bahia.ba
Foto: Leitor/ bahia.ba

 

Em uma sessão tumultuada, a Câmara de Vereadores de Santo Amaro não conseguiu dar prosseguimento aos trâmites, na terça-feira (6), para instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o “destino da arrecadação mensal da feira livre, mercado municipal e terminal rodoviário” da cidade, administrada por Flaviano Bomfim (PP).

No momento que aconteceria o sorteio dos membros que iriam compor a CPI, os vereadores da bancada governista se retiraram do plenário da Casa alegando que “quem julga não pode investigar”.

Sem quórum, após o esvaziamento, a sessão foi suspensa pelo presidente do Legislativo, Herden Cristiano (DEM). A instalação da CPI deve ser retomada na próxima segunda-feira (12).

“A abertura da CPI foi motivada, justamente, porque nem o prefeito, nem o vice, nem o secretário de finanças apresentaram documentos que provassem a lisura na arrecadação. A CPI também irá investigar a forma como foram realizadas algumas obras na feira livre, pois não consta processo licitatório. Estima-se que de janeiro de 2017 até agora tenha se arrecadado cerca de R$ 1 milhão”, disse recentemente ao bahia.ba, a vereadora Giovanna Costa (PRTB).

Ela acusa o prefeito Flaviano Bomfim, o vice-prefeito, Justino Oliveira, e o secretário de Finanças, Valdemiro da Paixão Rocha Neto, de não prestarem esclarecimentos à Câmara de Vereadores.

Outra CPI

Outro requerimento pedindo a composição de uma CPI para investigar supostas irregularidades no pagamento de notas fiscais emitidas pela empresa Carla Mendes Romano – M já havia sido protocolado na Casa. Os beneficiários seriam o prefeito do município, Flaviano Rohrs da Silva Bomfim (PP), além de Valdemiro da Paixão Rocha Neto, e Marília Rocha das Neves.

PUBLICIDADE