Publicado em 07/01/2019 às 09h33.

‘Somos um governo republicano’, diz Florence sobre envio de PMs ao Ceará

Deputado petista defendeu decisão do adotada pelo governador Rui Costa (PT); no fim de semana, parlamentares de oposição criticaram a medida

Alexandre Santos
Matheus Morais/bahia.ba
Matheus Morais/bahia.ba

 

O deputado federal Afonso Florence (PT) reagiu a críticas da oposição acerca de um decreto do governador Rui Costa (PT), que, por meio de um decreto, autorizou o envio 100 policiais militares baianos para o Ceará —estado que vive uma onda de violência desde a última quarta-feira (2).

“A oposição não encaixou ou ainda a diferença entre um governo republicano que resolve os problemas do povo, o que que é típico da Bahia, com a liderança de Rui Costa, que cada vez mais é uma liderança nacional. Essa decisão dele é uma prova disso, em contraste com o presidente que eles elegeram e que são obrigados a defender. Que não é presidente de quem ganha salário mínimo, de quem estuda em escola pública, de quem precisa do sus, de negro, de índio, de LGBT, não e o presidente de quem precisa dos governos estadual e central”, declarou ao bahia.ba, em clara referência ao presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Para Florence, a medida adotada pelo chefe do Executivo baiana encontra respaldo legal. “O governo tem condições orçamentárias e tomou a decisão junto ao povo do Ceará. A primeira decisão do governo federal foi de que não mandaria a Força Nacional. Quando viu a bobagem que estava fazendo, voltou atrás. Dizem que isso e estratégia dele [Bolsonaro]: errar e certar, errar e acertar. Só que os erros são muito grandes e os acertos, não se concretizam”, avaliou.

Decreto publicado no Diário Oficial do Estado de sábado (5) informa que os PMs ficarão à disposição da população cearense até o dia 20 de janeiro.

O Ceará é gerido pelo também petista Camilo Santana.

Notícias relacionadas

Deputado critica envio de PMs para ajudar crise no Ceará
Prates: Rui coloca ‘partido acima da função’ ao enviar PMs para o Ceará

 

PUBLICIDADE