Publicado em 14/06/2019 às 12h38.

Wagner: ‘Moro extrapolou. Ele se perdeu no caminho’

O petista disse ainda que a oposição quer caracterizar o PT como "partido de ladrões"

Matheus Morais
Foto: Luiz Felipe Fernandez/bahia.ba
Foto: Luiz Felipe Fernandez/bahia.ba

 

O senador e ex-governador da Bahia Jaques Wagner (PT) criticou o ex-juiz e atual ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, pelas supostas conversas entre ele e o procurador Deltan Dallagnol, na qual trocam informações sobre o andamento da Operação Lava Jato.

“Para mim, está claro, pelas revelações, que existia uma conluio entre Ministério Público e o juiz, que deveria estar isento para fazer o seu próprio julgamento. Havia, o tempo todo, uma colaboração entre essas duas partes, que contamina o processo todo”, disse em entrevista à GloboNews.

Na ocasião, o petista afirmou que Moro “extrapolou”.

“Eu não faço o que eles fazem: condenar antes. Se a pessoa que está revelando for uma pessoa experiente, foi quem revelou o caso do [Edward] Snowden com a CIA… O Moro extrapolou, ele pode até ser, para alguns, um herói nacional, que botou o dedo na ferida, mas talvez, depois se perdeu no caminho, quando tentou usar de ferramentas fora da lei”, salientou.

O ex-governador também defendeu o combate à corrupção.

“O combate à corrupção tem que ser permanente no Brasil. Eu fui governador durante oito anos e nunca tive nada contra mim, nenhuma acusação. Pra mim, isso não é nenhum benefício. Eu não sou daqueles que acha que os fins justificam os meios. Eu não posso deixar a lei de lado e fazer o que quiser, torturar psicologicamente pessoas. Eles querem caracterizar o PT como um partido de ladrões”, ressaltou.

PUBLICIDADE