Publicado em 04/02/2019 às 12h07.

Advogada acusa policiais de agressão em delegacia: ‘Estou com medo de ir trabalhar’

Ela acompanhava um cliente quando a confusão começou; veja vídeo

Milena Teixeira
Reprodução/Instagram
Reprodução/Instagram

 

O que era para ser mais um dia comum de trabalho acabou se tornando um pesadelo na vida da advogada criminalista Thalita Duran, 30 anos. Ela diz ter sido agredida por um policial militar e um delegado da Polícia Civil quando acompanhava um cliente em uma ocorrência na 23ª Delegacia, em Lauro de Freitas, Região Metropolitana de Salvador (RMS), no sábado (2).

As agressões começaram quando Thalita pediu para ler a ocorrência do cliente, por volta das 23h30. Segundo ela, o delegado, não identificado pela reportagem do bahia.ba, queria “induzir” os clientes durante o interrogatório para que um entregasse o outro, “conduzindo o processo de forma arbitrária”, o que iniciou a discussão. “Ele não queria me deixar ler a ocorrência. Quando eu pedi, ele gritou: “Cala a boca, desgraça”, contou a advogada.

Na confusão, que foi presenciada pelos clientes, Thalita começou a filmar o comportamento do delegado. Ao ver a gravação, um policial militar, que estava na delegacia, também se envolveu na confusão [veja vídeo].

/

“Você gravou meu rosto. Não troque as bolas não, que comigo o bagulho é diferente”, diz o PM identificado pela vítima como Luiz Paulo Lima.

A gravação também mostra Thalita sendo empurrada pelo policial e batendo com o ombro no chão. “A gente sai para trabalhar e é agredida dessa maneira. Agora, estou com medo de ir trabalhar e do que pode acontecer comigo”, afirmou a advogada. Ela  procurou a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) na Bahia para denunciar a agressão e registrou a denúncia na Corregedoria da Polícia Militar.

O bahia.ba entrou em contato com a OAB, mas a Ordem não se manifestou até o final da publicação. Já a Secretaria de Segurança Pública  (SSP) disse que está apurando o caso. Os policiais não foram afastados.