Publicado em 04/01/2021 às 15h48.

Clínicas privadas terão que seguir plano nacional de vacinação, diz ministério

Após entidade negociar com imunizante indiano, pasta destacou que ordem de grupos prioritários terá que ser respeitada

Redação
Foto: Marcelo Casal Jr./Agência Brasil
Foto: Marcelo Casal Jr./Agência Brasil

 

A ordem de prioridade do Plano Nacional de Vacinação contra a Covid-19 terá que ser respeitadas por clínicas privadas. O alerta foi dado nesta segunda-feira (4), pelo ministério da Saúde, depois que Associação Brasileira das Clínicas de Vacinas (ABCVAC) informar que negocia a comprada Covaxin, da farmacêutica Bharat Biotech (IND).

“Os grupos prioritários, propostos pelo Ministério da Saúde em parceria com Conass e Conasems, devem, a princípio, ser obedecidos mesmo que haja integração de clínicas particulares de vacinação ao processo de imunização”, informou o ministério em nota. O Conass e o Conasems reúnem os secretários estaduais e municipais de Saúde.

A iniciativa da ABCVAC gerou reação adversas dos governos. Para o secretário de Saúde do governo baiano, Fábio Vilas-Boas, a vacinação tem que ser  democrática.”O compromisso dos fabricantes mundiais é vender inicialmente apenas para governos. Mesmo na hipótese de o governo federal não adquirir em tempo, havendo registro na Anvisa, os Estados o farão”.

Também na Bahia, o deputado independente Hílton Coelho (Psol) criticou a iniciativa da associação de clínicas. “Clínicas privadas estão comprando 5 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19. Ela é e deve ser direito de todos”.

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.