Publicado em 04/04/2020 às 13h30.

Hilton Coelho propõe extensão de projeto de primeiro emprego

Parlamentar argumenta que o programa, já existente, deve se estender para mais de dois anos

Redação
Foto: Max Haack/ Ag. Haack/ bahia.ba
Foto: Max Haack/ Ag. Haack/ bahia.ba

 

Em função do isolamento social orientado pelas autoridades de saúde do mundo, argumenta o deputado estadual Hilton Coelho (Psol), o mercado de trabalho “não consegue absorver a mão de obra de estudantes”, por isso, propõe que o Projeto Estadual de Incentivo à Concessão de Estágio e Primeira Experiência Profissional se estenda para além dos dois anos previstos na lei.

De acordo com o parlamentar, a proposta é que a mudança fique em virgor enquanto durar a pandemia do novo coronavírus, causador da Covid-19 – que já matou mais de 300 pessoas no país e milhares de pessoas no mundo.

“Por conta do isolamento social necessário para impedir a propagação do vírus, o mercado de trabalho, quando da finalização do vínculo, não consegue absorver a mão de obra dos estudantes e egressos da Rede Estadual de Educação Profissional e a jovens e adolescentes qualificados por programas governamentais executados pela Bahia que pactuaram contratos de trabalho com base no projeto”.

Para ele, “estender o contrato é ter uma visão social e humana diante da grave crise provocada pela crise sanitária que vivemos”. Segundo Coelho, há pesquisas da própria Fundação Luiz Eduardo Magalhães (FLEM), que gerencia o projeto, afirmando que 90% dos beneficiários do programa dependem da renda para sustento próprio ou familiar.

Sem condições de acessar o mercado de trabalho, estes jovens trabalhadores ficarão desempregados e sem qualquer perspectiva de obtenção de renda o que, reforça, somente agravará a crise causada pelo coronavírus.

“É fundamental que tais contratos sejam preservados, devendo o governador de o Estado promover todos os esforços para que a juventude não seja ainda mais atingida pela crise econômica e social causada pelo coronavírus”.

PUBLICIDADE