Publicado em 04/04/2021 às 08h00.

Mulher acusada de aplicar vacinas falsas em empresários tem liberdade concedida pela Justiça

Segundo a Polícia Federal, Cláudia Mônica Pinheiro Torres de Freitas aplicou injeções com soro fisiológico

Redação
Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil
Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

 

A mulher acusada de aplicar vacinas falsas em um grupo de empresários em Belo Horizonte (MG) teve liberdade provisória concedida pelo TRF 1 (Tribunal Regional Federal).

Segundo a Polícia Federal, Cláudia Mônica Pinheiro Torres de Freitas aplicou injeções com soro fisiológico nas pessoas como se fossem vacinas contra a Covid-19.

Ela foi presa pela PF na terça-feira (3). No sábado (3), a desembargadora Ângela Catão concedeu o habeas corpus solicitado pela defesa.

O Coren-MG (Conselho Regional de Enfermagem) informa que não consta nos seus registros a inscrição de profissional de enfermagem no estado com esse nome. A mulher, que seria na verdade uma cuidadora de idosos, deixou a Penitenciária Estevão Pinto, em Belo Horizonte, às 16h30, com o rosto coberto por um casaco.                              ‘

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.