Publicado em 08/04/2020 às 20h20.

Nos EUA, negros enfrentam índices alarmantes de contaminação, diz jornal

De acordo com reportagem, números são frutos de desigualdades que vêm de longa data, como pobreza e segregação racial

Redação
Foto: Creative Commons
Foto: Creative Commons

 

Negros infectados pelo coronavírus têm morrido mais que os brandos nos Estados Unidos. De acordo com dados divulgados pelos estados e cidades norte-americanos e apurados pela reportagem do The New York Times, os índices são desproporcionalmente altos.

De acordo com o veículo estadunidense, as estatísticas são preliminares e não há, ainda, muitas informações estatísticas acerca do assunto porque a maioria das cidades não inclui informações sobre raça ao fornecer os dados de casos confirmados da Covid-19 – doença causada pelo novo coronavírus.

Mas há, ainda conforme o TNYT, indícios obtidos de lugares onde políticos chegam a afirmar que é preciso agilizar ações potenciais de prevenção para evitar a devastação de comunidades negras.

“É um momento de chamado à ação para todos nós”, disse a prefeita de Chicago, Lori Lightfoot, à reportagem. Nesta semana, ela divulgou estatísticas sobre a pandemia em sua cidade.

Mais de metade das pessoas que receberam diagnóstico de Covid-19, e 72% das que morreram, em Chicago, são negras. Embora sejam africanos menos de um terço dos habitantes da cidade.

“Esses números são realmente estarrecedores”, disse Lightfoot, a primeira mulher negra a ser eleita prefeita de Chicago. Em entrevista, ela comentou ainda que as estatísticas são “uma das coisas mais chocantes” que já viu, enquanto prefeita.