Publicado em 02/07/2020 às 09h30.

Rui Costa diz que Brasil sofre porque entrou na pandemia de ‘salto alto’

"Chegamos aos 120 dias. Nenhum país do mundo ficou tantos dias nessa situação, tentando conter o vírus"

Matheus Morais / Rayllanna Lima
Foto: Matheus Morais/bahia.ba
Foto: Matheus Morais/bahia.ba

 

O governador da Bahia, Rui Costa (PT), voltou a afirmar que o Brasil está pagando um preço alto por minimizar a gravidade da pandemia do novo coronavírus, que provoca a Covid-19. Para ele, com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) definindo o vírus como “uma gripezinha”, o país entrou na pandemia “de salto alto’.

“Quem entra de sapato alto achando que já ganhou a partida. Muitos exércitos na história da humanidade, que enfrentaram países mais frágeis e cantaram vitória antes da hora ou minimizaram, saíram derrotados. Esse vírus, entre tantos ensinamentos tristes que traz para a humanidade, deixa de que não é possível minimizar o valor da vida humana. Os países do ocidente, em especial, que minimizaram o vírus, pagaram um preço muito alto. E nós estamos pagando um preço muito alto”, disse.

Participando de um ato simbólico no Largo da Lapinha nesta quinta-feira (2), em celebração à Independência da Bahia, ao lado do prefeito de Salvador ACM Neto (DEM), ele lembrou que o país já chega a 120 dias enfrentando o vírus “com homeopatia”, sem tomar “o remédio amargo de uma vez”, sinalizando que deveria ter ocorrido um acordo comum nacional para decretar lockdown, que consiste em manter a sociedade em completo confinamento por determinado período.

“Chegamos aos 120 dias. Nenhum país do mundo ficou tantos dias nessa situação, tentando conter o vírus. Fechando, abrindo. Ninguém sabe se fecha, se abre. E todos chegam a exaustão. Todos que estão desde o início colocando a vida humana como prioridade chegam a exaustão, às vezes psicológica, pelo volume de pressão que começa a ter pela dispersão de opiniões que se estabeleceu no Brasil. Prefeitos têm se sentido extremamente pressionados porque tem uma voz nacional que diz que é para abrir, e ganha setores da sociedade que querem abrir no desespero de verem seu negócio quebrar. Eu digo sempre que, na humanidade, os asiáticos soubera enfrentar isso muito melhor do que o ocidente. Encararam o vírus desde o início como uma coisa muito séria, gravíssima, tomaram remédio amargo de uma vez, fecharam e conseguiram superar o vírus. Nós resolvemos tratar uma pandemia dessa em homeopatia. E, por isso, estamos pagando em vidas humanas, em empregos, em renda, muito mais altos do que deveríamos pagar”, afirmou.