Publicado em 25/11/2020 às 11h23. Atualizado em 25/11/2020 às 12h58.

Talvez a decisão já não caiba mais a mim, diz ACM Neto sobre impasse da volta às aulas

Prefeito voltou a reconhecer risco de 2ª onda da pandemia, mas afirmou que retomada da educação precisa acontecer para evitar maiores prejuízos

Alexandre Santos / Matheus Morais
Foto: Matheus Morais/bahia.ba
Foto: Matheus Morais/bahia.ba

 

Em mais um capítulo do impasse em torno da volta às aulas, o prefeito ACM Neto (DEM) pôs em dúvida nesta quarta-feira (25) a possibilidade de uma retomada da educação ainda neste ano. Questionado sobre o tema em uma coletiva de imprensa, o chefe do Executivo soteropolitano mencionou o aumento de internações em UTIs registrado nos últimos dias. Ele também voltou a demonstrar preocupação com uma eventual segunda onda de contaminações por Covid-19.

“Infelizmente, dado ao aumento no número de casos e dado o risco de segunda onda, que é real,  é difícil pensar numa retomada das aulas da educação. Mas também eu não defendo, e quero deixar aqui claro, que nós deixemos indefinidamente essa questão. Em algum momento, vai ser preciso de fato retomar a educação para que o prejuízo das crianças não seja ainda maior e mais grave”, declarou durante a entrega de uma escola no bairro do Engenho Velho da Federação.

Segundo boletim epidemiológico mais recente, os leitos de UTI adulto na capital têm 63% de ocupação. As UTIs pediátricas, por sua vez, estão com índice de 74%. Na capital, 2.711 pessoas já morreram em decorrência do novo coronavírus.

Diante do avanço na taxa de contágio, conforme apontam as autoridades sanitárias, o prefeito afirmou que deverá autorizar a reabertura de mais leitos.

“Nós começamos a reabrir leitos essa semana. Hoje [quarta] faço reunião com equipe da saúde para ter programação da reabertura de leitos específicos para Covid. Nosso trabalho será de ampliar a oferta e oferecer mais leitos para que possa dar conforto às taxas de ocupação da nossa cidade”, disse.

Tanto o prefeito quanto o governador Rui Costa (PT) têm repetido que tomarão uma decisão conjunta a respeito do restabelecimento das aulas na cidade. O segmento foi um dos primeiros a paralisar suas atividades desde o início da pandemia, em março.

Na semana passada, ACM Neto afirmou que se reuniria com o governador para tratar da definição dos protocolos para a possível retomada. O prefeito, porém, não informou quando o encontro aconteceria.

Para o prefeito, além das demandas do transporte público, a educação será o grande desafio do seu sucessor, o atual vice-prefeito Bruno Reis (DEM).  “Para assegurar que as crianças voltem à sala de aula e possam recuperar o tempo perdido. Na prática, teremos que fazer dois anos em um, já que já estamos no final de novembro.”