Publicado em 29/05/2017 às 12h08.

ACM Neto estima início de 2018 como prazo para definir candidatura

Democrata ainda rebateu hipótese de a sua eventual empreitada nas eleições estaduais ser barrada: "Ah, me poupe, né? A Lava Jato pode tirar Rui e Wagner, a mim não”

Evilasio Junior
Foto: Jefferson Peixoto/ Ag. Haack/ bahia.ba
Foto: Jefferson Peixoto/ Ag. Haack/ bahia.ba

 

O prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), estimou o início do ano como prazo para a definição do candidato ao governo do Estado em 2018 pelo seu grupo político. No último fim de semana, ele voltou a cogitar disputar o próximo pleito.

“Provavelmente [a definição sairá] no começo do próximo ano. Até porque, nós sabemos que existirão prazos de desincompatibilização para quem pretender ser candidato. Então, é claro que no começo do próximo ano vai se ter uma ideia mais clara de qual é o melhor nome e o melhor caminho”, disse o democrata, após abordagem do bahia.ba, durante o lançamento do programa Salvador 360, nesta segunda-feira (29), no Sheraton da Bahia Hotel, no Campo Grande.

Embora diga que está preocupado em conduzir o seu segundo mandato à frente do Palácio Thomé de Souza, ele confirmou a hipótese de tentar comandar a Bahia. “Eu nunca descartei a possibilidade de disputar as eleições de 2018. Eu não posso deixar de confirmar isso por um dever de lealdade ao cidadão, mas o fato de eu confirmar a possibilidade de ser candidato a governador, não quer dizer que eu seja. Não quer dizer que eu esteja preocupado com isso, ou trabalhando para esse momento. Não estou. […] O tempo do cidadão, o tempo das pessoas, não é o tempo das especulações políticas. Hoje, o cidadão não está com a eleição na cabeça, não quer falar de eleição. Está vivendo crise, está desempregado, está com dificuldade na vida, não quer saber de eleição. Eleição vai ser vivida ano que vem, então vamos dar tempo ao tempo e deixar que as coisas aconteçam na hora certa”, reforçou.

Sobre as críticas dos aliados do governador Rui Costa (PT), como o vereador José Trindade (PSL), líder da oposição na Câmara, que levantou a possibilidade de a Operação Lava Jato barrar uma eventual candidatura sua, Neto afirmou que o partido do atual chefe do Executivo baiano é quem deveria estar mais preocupado. “Ah, me poupe, né? A Lava Jato pode tirar Rui e Wagner, a mim não”, alfinetou.

Neto ainda revelou, na entrevista coletiva, que irá a Brasília nesta terça-feira (29) para acompanhar o posicionamento do seu partido diante da crise política que afeta o governo do presidente Michel Temer (PMDB), aliado da legenda.

PUBLICIDADE