Publicado em 25/03/2019 às 18h03.

Marcelle diz ter sido vítima de racismo na Câmara Municipal

Segundo a vereadora, manifestantes a chamam de “escrota branca”

Redação
Foto: Luiza Lopes/bahia.ba
Foto: Luiza Lopes/bahia.ba

 

Em nota enviada à imprensa, a vereadora Marcelle Moraes afirma ter sido “vítima de racismo e sofreu agressões verbais e psicológicas por parte de um grupo de religião de matriz africana” nesta segunda-feira (25), na Câmara Municipal de Salvador.

Segundo a vereadora, manifestantes a chamam de “escrota branca” e citam “fazer um ebó (sacrifício animal) comunitário” para a vereadora e seu irmão, o deputado estadual Marcell Moraes.

“Fiquei muito assustada quando recebi as imagens. Estou sofrendo agressão verbal e psicológica por defender os animais. Hoje eu fui vítima de racismo por parte de um grupo religioso que se diz contra a intolerância. Isso é muito grave. Fui chamada de racista e ‘escrota branca’, sendo que eu tenho um relacionamento de três anos com um homem negro. O meu noivo é negro. Isso não tem fundamento”, enfatizou Marcelle.

Durante a sessão, a defensora da causa animal ainda garante que foi xingada de burra e fascista enquanto discursava no plenário.

“Eles não compreendem, mas eu vou continuar lutando. Os animais têm voz nessa cidade. Eles não vão me intimidar. Eu fui xingada, desrespeitada e agredida, mas vou continuar defendendo os animais. Fui eleita para isso. Enquanto eles insistem em matar eu insisto em proteger”, falou a edil.

PUBLICIDADE