Publicado em 06/04/2017 às 11h39.

Caso Lucas Terra: STJ rejeita recurso de ex-pastores e júri está mantido

Joel Miranda e Fernando Aparecido da Silva aguardam o julgamento em liberdade e são suspeitos da morte do adolescente de 14 anos, em 2001

Redação
Foto: Reprodução/ Youtube
Foto: Reprodução/ Youtube

 

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve a decisão do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) que desde 2015 pretende levar a júri popular os ex-pastores da Igreja Universal do Reino de Deus (Iurd) acusados de matar o adolescente Lucas Terra, em 2001. A decisão, sem margem para recurso, ocorreu na última quinta-feira (30), mas só foi divulgada nesta quarta (5) no Diário Oficial da Justiça.

Joel Miranda e Fernando Aparecido da Silva, que recorreram à Corte, aguardam o julgamento em liberdade. Eles são acusados de abusar sexualmente, incendiar o adolescente de 14 anos e abandonar o corpo em um terreno baldio na Avenida Vasco da Gama, dentro de um caixote.

Outro ex-pastor, Silvio Roberto Galiza, também envolvido no caso, cumpre pena em regime aberto desde 2012, após ser condenado a 18 anos de prisão e ter a punição reduzida para 15 anos. Em depoimento, Galiza afirmou que o menor foi morto por Fernando e Joel após flagrar uma relação sexual dos dois religiosos.

PUBLICIDADE